Destaque

Nativismo Falsificado

native-american-indian-war-headdress-blue-black-white-fur-p310-1633_medium-3414974481-1571057309220

Existe uma mentalidade doentia à qual qualquer missionário é suscetível, especialmente aquele que ama verdadeiramente as pessoas com quem trabalha. Chama-se “going native”, mais ou menos, “tornar-se nativo”. “Going native” não é apenas aprender uma nova língua, a comer alimentos estranhos e adotar novos costumes. É a ilusão de que uma pessoa pode realmente se tornar outra pessoa que não seja quem é.

Caí nessa ilusão enquanto trabalhava como missionário entre os índios okanagans do Canadá. Trabalhamos juntos, comemos juntos, nadamos juntos, andamos juntos e ficamos conversando juntos até o sol finalmente desapareceu às 23:00 da noite. E logo eu estava andando, conversando e agindo como um índio okanagan. Não foi intencional. Foi apenas o resultado natural de querer ser um dos rapazes e ser aceito, apesar de eu ser um missionário americano branco.

O “Velho Ben” era o dono da fazenda onde eu estava hospedado num trailer no meio do pasto dele, e ele era tudo o que um patriarca da família deveria ser, independentemente da cultura de cada um. Em sua juventude, ele era um verdadeiro “boêmio”, mas a idade o transformou em um homem quieto e gentil, que falava pouco mas quando ele falava os outros ouviam. Então, um dia do nada, ele me disse. “Mark, você nunca será índio. Você sempre será um homem branco.”

Confesso que fiquei chocado e magoado. Parecia que eu estava sendo rejeitado e excluído, apesar dos meus melhores esforços para ser culturalmente sensível. Respondi perguntando o que estava fazendo de errado. Ele olhou para mim como se eu fosse louco e falou: “O que faz você pensar que está fazendo algo errado? Você não está fazendo nada de errado. Você está pensando errado! Quer se tornar algo que não é e, ao fazer isso, desonra a pessoa que é. Não tente se tornar um índio. Apenas seja um homem de bem.”

Essas palavras foram profundas, mas confesso que perdi essa mensagem pelo caminho. Fui ao Dallas Seminary e li “Dress for Success” (“Vestindo-se pelo sucesso”), e me perdi na busca inútil de ser um dos “caras chiques”. Depois vim ao Brasil e fiz todo o possível para me tornar um brasileiro. Eu trabalhei duro no idioma. Comprei roupas brasileiras, calcei sapatos brasileiros e, de vez em quando, cortei meu cabelo com um barbeiro brasileiro. E então, um dia, quando eu estava sentado no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, vestido como um brasileiro e lendo um livro em português, chamaram meu vôo. Quando me levantei, um jovem empresário sentado ao meu lado esbarrou em mim por acaso e, com toda sinceridade, olhou para mim e disse: “Excuse me”. Em inglês. Eu perguntei a ele em português “É tão óbvio assim?” E ele respondeu, com um sorriso compassivo, “Sinto muito”.

Aos olhos dos brasileiros, nunca serei brasileiro. E o fato de eu ser um americano conservador, evangélico e dispensacionalista que acredita na inerrância da Bíblia e aceita as proibições apostólicas contra a ordenação de mulheres como pastores, garante que, por mais que eu tente, ou que eu fale educadamente, existam pessoas que realmente se sentem uma profunda animosidade por eu estar no Brasil.

Mas também encontrei no Brasil as amizades mais íntimas e profundas que já tive na vida. Pessoas que me amam e me aceitam não porque sou americana, nem porque me tornei brasileiro, mas que, apesar de nossas diferenças, me aceitaram como eu sou. E quarenta anos depois, finalmente aprendi a viver o que o Velho Ben estava me dizendo na Reserva Okanagan, no Canadá: não tente ser outra pessoa. Apenas seja o melhor VOCÊ que você pode ser e, para mim, isso significa me tornar o homem que Deus pretendia. E eu escrevi tudo isso hoje apenas para compartilhar essa mensagem com você: existe apenas uma Pessoa no universo inteiro cuja opinião sobre sua vida realmente importa, nosso Pai que está no céu,. e Seu propósito para nossas vidas é exatamente isso: ajudar-nos a nos tornar a melhor versão de nós mesmos que podemos ser. Que Deus o abençoe!

Tiago 2.17, Parte 1: O Que é A Fé Morta?

Monumento Tiago 2.17

Tiago 2.17 declara que “a fé sem obras está morta”, e muitos usam este versículo para questionar a salvação de pessoas que confessam fé na morte e na ressurreição de Cristo, mas que não mostram suficiente “boas obras”. Este vídeo apresenta um estudo dos significados das palavras “morrer”, “morte” e “morto” no AT e no NT, e demonstra que em nenhum outro texto, a palavra “morto” significa “falso”. A fé morta não é falsa, nem falsificada, mas a fé verdadeira e viva…que morreu.

Desabusando Tiago 2.19: A Fé dos Demônios

Jesus Movie

Já ouviu alguém citar as palavras de Tiago 2.19, dizendo que a fé do outro era “a fé dos demônios”? Usando este versículo para defender que a fé do outro era falso, falsificado e incapaz de salvar? Este vídeo mostra como tais pessoas abusam esse versículo, por ignorar as indicações literárias que não foi Tiago que proferiu essa palavras, mas o adversário dele.