Piedade e Vida de Contribuição

Segunda parte do sermão dado à IBCU no dia 29/03/2009. Clique aqui para ver a primeira parte.

Introdução – Dinheiro: O Termômetro do Coração

Boa noite. É um prazer e um privilégio falar com vocês sobre este assunto hoje à noite.

Finalmente eu entendi porque o Fernando Leite me pediu para tratar este assunto. É porque eu não sou funcionário da Igreja e não posso ser demitido! Expulso sim, mas demitido não!

De fato, esta área do nosso relacionamento com Deus, nossa relação com o dinheiro tem sido muito importante para Diane e para mim. Nós temos crescido e tratado essa área de nossas vidas, porque é uma área muito que revela nosso íntimo. “DIGA ONDE VOCÊ ESTÁ GASTANDO SEU DINHEIRO E EU VOU LHE DIZER ONDE ESTÁ O SEU CORAÇÃO!”

O tema de nossa série de mensagens, aqui na IBCU, é “Em Sua Presença” e minha responsabilidade é falar sobre “Piedade e Contribuições”.

Nos momentos em que estou gerenciando meu dinheiro, o dinheiro que Deus me deu, quando estou andando na rua, quando estou retirando dinheiro da minha bolsa e comprando, eu estou na presença de Deus em todos esses momentos.

De fato, eu acho que nada pode mostrar melhor se eu estou praticando a presença de Deus no meu dia a dia, se eu estou andando na presença d’Ele do que a maneira como estou gastando meu dinheiro. A maneira como eu estou investindo meu dinheiro, mostra como está o meu relacionamento com Deus. São poucas coisas que revelam nossa condição espiritual melhor do que nossas atitudes sobre o dinheiro. Jesus falou em Mateus 6.24: “Ninguém pode servir a dois senhores; pois odiará a um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Vocês não podem servir a Deus a ao dinheiro.”

Alguém tem que ficar em segundo lugar.

>> Clique aqui para continuar a leitura

Uma Teologia de Sacrifícios e Ofertas

Pregação transcrita do dia 29/03/2009 dada à IBCU: Piedade e Vida de Contribuição – Sacrifícios e Ofertas (I)

A importância deste assunto

Quando falamos em dinheiro, estamos falando sobre um assunto que gera muitas críticas para os crentes, e muitas vezes elas são devidas. Quando nos aproximamos desse assunto, precisamos reconhecer que é um assunto difícil por causa dos abusos e exageros dos “evangélicos”. Sabemos que não é somente a Igreja Evangélica que abusa nesse assunto de dinheiro. A Reforma da Igreja foi lançada porque a Igreja Católica estava vendendo o “sair do purgatório e ir para o céu” através de dinheiro, e o vendedor dizia que cada vez que uma moeda entrava no caixa, uma alma estava solta. A Igreja Católica praticou isso e até hoje ela quer dinheiro público do Brasil. Os espíritas também praticam esse abuso. Eu já ouvi de tantas pessoas que vão para o espiritismo, que para fazerem aquelas feitiçarias, custa muito. O pai de santo cobra muito.

De fato, a cobiça e a ganância não são coisas evangélicas, mas humanas, e não existe coisa melhor para abusar de dinheiro do que religião, porque todos nós reconhecemos nossa necessidade, que precisamos de Deus e de sua ajuda, e tem muita gente que está pronta para vender a ajuda de Deus, e muitos que estão prontos para pagar.

Mas nós somos evangélicos, cristãos, pessoas do Novo Testamento. Então, quero começar com duas palavras de orientação, palavras que realmente são relacionadas com o primeiro assunto que eu levantei: que tem muita gente que quer se aproveitar de religião para se beneficiar financeiramente.

>> Clique aqui para continuar a leitura.